Ateneu de Coimbra | 66 Aniversario

dezembro 13, 2006

15 Dez| Mezcal & Veados com Fome - Exprimentalismo e Puro Rock



15 Dez - 22h

Mezcal
www.myspace.com/mezcalband

Veados com Fome
Auto-coroados como a “Nova Melhor Banda de São Paio de Guimarei*”, os Veados com Fome nascem nos primeiros dias de Março de 2005 na cidade de Santo Tirso.
Constituídos pelo Sr. Gonçalves (guitarra), Sr. Pinto (guitarra) e Sr. Ferreira (bateria), este trio de rock instrumental e experimental tenta criar um som cru e directo, um estilo próprio e desprendido, mas ao mesmo tempo reflexo das distintas influências de cada um dos seus 3 membros.
A banda mostrou sempre uma grande vontade e aptidão para apresentações ao vivo, pelo que desde a sua formação já deram dezenas de concertos em Portugal e Espanha, em palcos grandes e pequenos para muita e para pouca gente.
Em termos de edições estão filiados na plataforma Lovers & Lollypops pela qual já lançaram em CD-R os seguintes trabalhos: “Volume#3”; “EP-NA”; um split com os Lisboetas Lobster; tendo também contribuído com uma faixa para a compilação comemorativa do primeiro aniversário da plataforma L&L.
Foram ainda convidados por Henrique Amaro da Rádio Antena 3, a contribuir com duas músicas para uma compilação da responsabilidade do mesmo, para a qual também foram escolhidas músicas dos Dead Combo e Mão Morta, entre outros.
Em 2006 são considerados pelo Jornal Blitz uma das bandas revelação do ano, e vão somando críticas bastante favoráveis noutros meios de comunicação ligados à música em Portugal, tais como a revista Mondo Bizarre ou o site bodyspace.com.

www.myspace.com/veadoscomfome

dezembro 11, 2006

12 de Dez| Sessao Cinematografica Documental



dezembro 05, 2006

8 de Dez | Da Cor da Madeira



"Da Cor da Madeira"

Projecto de Percussão - Joaquim Teles (Quiné)

Este projecto explora a interpretação ao vivo apoiada por samplers, nascendo da multiplicidade de experiências musicais e extra-musicais do autor, reflectindo uma visão muito personalizada do universo das sonoridades rítmicas. Salienta-se que o músico aborda, nos temas apresentados, uma forma própria da utilização da m’bila (xilofone moçambicano), instrumento que começou a explorar a partir da sua estadia em Moçambique, destacando-se um conhecimento profundo dos ritmos tradicionais portugueses que funde com ritmos do mundo.

Quem é Quiné?

Natural de Ílhavo (Portugal), nasceu em 63.
Inferniza os tímpanos a quem o consegue ouvir desde criança.
Fez o Curso Geral do Conservatório de Música do Porto e estudou com Rui Júnior em 83.
Participou em diversos seminários dos quais se destaca o que fez com os “PERCUSTRA”, constituído por elementos das PERCUSSÕES DE ESTRASBURGO, em 90.
Em 89 e 90 leccionou na Escola de Jazz do Porto.

Compôs e colaborou em músicas para vários filmes, séries e peças de teatro.
Com seu projecto a solo “DA COR DA MADEIRA” já se apresentou em alguns eventos no país e no estrangeiro. Entre eles destacam-se:

· FESTIVAL D’AGOSTO (Moçambique)

· FESTA DO AVANTE

· Homenagem ao escritor MIA COUTO

· FESTIVAL DE PERCUSSÃO DE COIMBRA

· TOM DE FESTA

· FESTIVAL UM MUNDO DE PERCUSSÕES

Actualmente, além do projecto “DA COR DA MADEIRA”, toca com:

· Filipa Pais e Zé Peixoto

· Brigada Victor Jara

· Sexteto Bernardo Moreira

Paralelamente à sua actividade como músico faz regularmente Oficinas de Percussão e Movimento na Escola Superior de Dança de Lisboa e nas principais cidades do país.


dezembro 03, 2006

1 de Dez | Festa entre amigos!

Esta foi uma noite que juntou a "prata da casa" Ateniense e um projecto também forjado no seio do Ateneu!
Rebimbo'malho, Banda Futrica e Diabo a Sete, encheram o Ateneu de festa e cor! Muitas foram os amigos que compareceram preenchendo todos os cantos da colectividade com fervor festivo e alegria!
Mais palavras para que....
Ficam aos momentos!

REBIMBO'MALHO


BANDA FUTRICA

c om a presença de João Queirós

DIABO A SETE






fim de noite, parte II!

1 de Dez | Almoço Comemorativo

PARABÉNS ATENEU! VIVA o 66º ANIVERSÁRIO


Decorrido nas cantinas das Químicas da FCTUC, recebeu centenas de Atenienses para a confertinazação e reencontro de "velhos" e "novos" amigos, companheiros, camaradas Atenienses.
Joao Damasceno Socio nº1 e sua esposa

Marta e Joao Atenienses mais "novos"

Dia 29 Nov | Palco Aberto

Foi um ideia nova, que timidamente resultou, deixando em aberto a ideia da repetição do momento!


novembro 29, 2006

1 Dezembro | Rebimbo'malho / Banda Futrica / Diabo a Sete

REBIMBO'MALHO

O uso de tambores é muito antigo no nosso país. Eram no entanto, considerados instrumentos menos nobres. Nas festas dos senhores medievais, os jograis que os tocavam, eram de categoria inferior, sendo por isso relegados para lugares afastados, de modo a não prejudicarem o som dos instrumentos mais delicados.

O bombo, caracterizado por uma sonoridade própria, “reflecte o caracter do que é ser português”. (Rui Júnior)

Rebimba-o-malho: expressão popular portuguesa utilizada em toda a Beira Interior com o significado de: “dá-lhe com gosto!” “dá-lhe com força!” “dá-lhe com energia!”, define, de alguma forma as nossas intenções.
È com gosto, força e energia que pretendemos criar um grupo de percursionistas, utilizando ritmos populares, através de instrumentos populares portugueses pertencentes à classe dos Membranofones.

Andancas 2006

Campeonato Mundial de Ginastica Acrobatica




BANDA FUTRICA



A
música é o tipo de arte mais perfeita: nunca revela o seu último segredo”

Oscar Wilde
Futricas porque somos de Coimbra, mas também porque somos “homens ordinários”, tentando ser felizes com as nossas raízes, como portugueses e juntando-lhes as nossas próprias “raízes” individuais. Música de raiz, mas urbana, simples na sua essência, num apelo sincero à dança, numa deambulação aleatória pela nossa memória colectiva.


Arzila



DIABO A SETE




Os Diabo a Sete apareceram nos inícios de 2003 em Coimbra e formaram-se a partir da vontade de tocar e reinventar a música portuguesa de raiz tradicional.

Acreditamos que os ritmos e melodias que tocamos e que ouvimos por todo o país, seja em recolhas seja no labor musical de outros grupos, não são meros ecos de um passado mumificado. Traduzem, isso sim, uma forma de interpretar a riqueza musical do nosso país, feita de permanências, esquecimentos e cruzamentos fecundos com outras culturas.

Se o lustro que habitamos é aquilo a que se convencionou chamar de música tradicional, não o fazemos, contudo, com o intuito de recuperar uma pretensa “pureza perdida” ou de tratar em termos de rigor “científico” as sonoridades e os instrumentos.

Transportamos ritmos e sons já outrora esboçados, mas com o intuito de fazê-los reviver, através das nossas experiências e do prazer que sentimos em tocar. É com estes ingredientes que pretendemos agitar um caldeirão antigo e de lá extrair algo de novo


Ateneu de Coimbra


Alvaiazere

novembro 28, 2006

27 Nov-1 Dez | 2ª Semana


Estas serão as actividades que encontrará na segunda semana da Festa Ateniense!

ATENÇÃO Dia 29 a Performace será, substituida por "Palco Aberto" - Irão encontrar um palco repleto de instrumentos, que nos convidarão a tocar neles.
Tragam um instrumento e amigos para a festa!

25 de Nov | Artesanato Urbano & Comércio Justo




Várias artistas expuseram peças, onde os materiais reutilizaveis são a primeira mateira prima.
O Comércio Justo trouxe ao Ateneu, produtos directamente dos produtores de paises do terceiro Mundo, efectuando uma troca justa entres os produtores e os consumidores, onde ambos saem beneficiados.


Comércio Justo Artesanato Urbano

24 de Nov | Chuchurumel & Quarto Minguante - Abrem as Festividades

O Ateneu abriu as portas, em festa trazendo cultura musical e artistica livre e
gratuita a todos!
Centenas compareceram à chamada trazendo alegria para dentro da casa Ateniense!

Numa noite recheada de festa, sentiu-se com o decorrer das horas um aumento do
sentimento de união e espírito Ateniense!

Chuchurumel QuartoMinguante

Fim de noite!


novembro 19, 2006

24 Novembro Quarto Minguante | Chuchurumel


Quarto Minguante

Os Quarto Minguante são uma banda recente, composta por quatro elementos residentes em Coimbra, mas provenientes de vários pontos do país. O gosto comum por músicas do mundo e sonoridades exóticas, possíveis de encontrar no seu próprio continente, levou a banda a aventurar-se num universo que vai beber ao Klezmer de Giora Feidman e à música dos Balcãs de Ognjen Popovic, acabando por rumar também para interpretações de arranjos próprios de música tradicional portuguesa. As portas estão no entanto abertas a outros sons, desde que estes venham ao encontro dos seus ideais de liberdade e harmonia entre os povos. Exemplo disso é a sua interpretação de temas de Victor Jara e de outros poetas de intervenção

http://myspace.com/qminguante














Sílvia Franklim
- voz, clarinete
Alexandre Barros - guitarra clássica, voz
Gonçalo Leonardo - contrabaixo
Hugo Natal da Luz
- bateria








Chuchurumel

Tal como tantas outras, também esta história pode começar por “Era uma vez…”.
Era uma vez um atelier muito grande. Ficava no Feital, no concelho de Trancoso, e era da Maria Lino, uma amiga escultora e pintora que tinha regressado há uns anos da Alemanha. Aí se encontraram dois músicos, ambos com grande interesse pelas tradições e pela música portuguesa. Começaram a trabalhar juntos e decidiram baptizar-se. Procuraram, procuraram, até que encontraram o nome numa lenga-lenga chamada “O castelo de Chuchurumel”.
Quando nasceu, Chuchurumel admirava as canções que o Michel e outros tantos como ele tinham descoberto e guardado com profundo amor. (Estava-lhe no sangue…) Juntou algumas dessas canções e cantou-as vezes sem conta num espectáculo chamado “Canções de Todo o Ano”. Depois fez um disco e mais um espectáculo (“Tapete Voador”).
E afinal, o que faz Chuchurumel? Canta e toca música tradicional portuguesa, usa muitos instrumentos e muitos sons, faz oficinas de formação, constrói instrumentos, faz nascer espectáculos para lugares especiais e adora salvar vidas: conversar com as memórias dos outros e fazer recolhas. Também gosta de pesquisar todos e quaisquer tipos de sons e de usar computadores e outras caixinhas mágicas.


http://www.chuchurumel.com















César Prata: Bandolim / Darbuka / Gaita-de-fole / Pedras /
Percussões / Txalaparta /Viola / Voz

Julieta Silva: Adufe / Caixa / Castanholas / Concertina/
Metalofone / Ocarina / Paus/ Piano / Punkeira / Txalaparta / Voz








novembro 17, 2006

Semana | 20-25 de Novembro

Estas serão as actividades que desvendrará
para a primeira semana da Festa Ateniense!

novembro 13, 2006

66 Aniversario | Ateneu de Coimbra


Programa Oficial do Aniversario (Ateneu de Coimbra - Se Velha)


Ateneu de Coimbra em FESTA!!!


"Toda a arte, toda a cultura, não esqueçamos, requer um esforço de quem a aborda. Fazer obra de Cultura Popular consiste não em evitar esse esforço, mas sim em criar as condições necessárias para que tal esforço frutifique na aquisição de conhecimentos, no exercitar da inteligência, no apuramento da sensibilidade, na formação do carácter."
João José Cochofel (sócio fundador)

O Ateneu de Coimbra, embrenhado no espirito que o construiu, ira durante as proximas 4 semanas (20 de Novembro a 17 de Dezembro) acolher diferentes iniciativas, trazendo num esforço colectivo, um conjunto diverso de eventos culturais que abrangerão as varias areas das artes e espectaculos.

A entrada nos eventos e gratuita!

Aparece e traz um amigo tambem...